Sites Grátis no Comunidades.net As melhores Plataformas Grátis: Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal
Translate this Page

Rating: 2.7/5 (760 votos)




ONLINE
1





Partilhe esta Página





 

 São as intenções que elaboram e constroem os atos, que por sua vez, iniciam, desenvolvem e concluem as obras.

 

Portanto, o Ser Humano não deve ser criticado, julgado, condenado e/ou castigado em seus sentimentos, pensamentos e atos, mas sim em suas obras, ou melhor, em suas intenções. Sr. Jair Tércio.

 

Eis que, meus amados , o Ser Humano inicia-se na senda do bem viver com o conhecimento; Eleva-se em tal senda com o autoconhecimento; e exalta-se na mesma com a auto-realização. Sr. Jair Tércio.

 

Eis que um pai, quando verdadeiro, aspira e, ao mesmo tempo, conspira para ter os seus filhos por perto, estejam eles crescidos ou não.

No entanto, Deus , a vida do absoluto, Pai nosso que é e está em toda parte, não houve pedidos finitos.

Portanto, o Ser Humano necessita aprender a saber pensar até não mais poder, ou seja, até o desmedido, para saber pedir desmedidamente, imutavelmente. Sr. Jair Tércio.

 

Segundo o Plano Divino

 

A necessidade oportuniza a vontade;

A vontade oportuniza a imaginação;

A imaginação oportuniza a inteligência;

A inteligência oportuniza a verdade;

A verdade oportuniza a consciência;

A consciência oportuniza a ciência.

Assim, o Ser Humano deve se apressar na busca da verdade, enquanto não perde a coragem. Sr. Jair Tércio.

 

 

 

 

 


Parkinson
Parkinson

Como vivemos de pesquisas, temos vários tratamentos alternativos e naturais para o Parkinson. Estude conosco!

 

QUE É PARKINSON?

Parkinson é uma doença progressiva do sistema neurológico que afeta principalmente o cérebro. Este é um dos principais e mais comuns distúrbios nervosos da terceira idade e é caracterizado, principalmente, por prejudicar a coordenação motora e provocar tremores e dificuldades para caminhar e se movimentar. Não há formas de se prevenir o Parkinson.

 

CAUSAS

 

As células nervosas usam uma substância química do cérebro chamada dopamina para ajudar a controlar os movimentos musculares. O Parkinson ocorre quando as células nervosas do cérebro que produzem dopamina são destruídas lenta e progressivamente. Sem a dopamina, as células nervosas dessa parte do cérebro não podem enviar mensagens corretamente. Isso leva à perda da função muscular. O dano piora com o tempo.

 

A causa exata do desgaste destas células do cérebro é desconhecida, mas os médicos acreditam que uma mistura de fatores possa estar envolvida:

 

Genética: mutações genéticas específicas podem estar envolvidas nas causas do Parkinson, mas estes casos são raros, acontecem geralmente com membros da família afetados pela doença de Parkinson. No entanto, algumas mutações genéticas parecem aumentar o risco de doença.

 

Meio ambiente: a exposição a determinadas toxinas ou fatores ambientais podem aumentar o risco de doença de Parkinson no futuro, mas o risco é relativamente pequeno.

 

Fatores de risco

 

Alguns fatores são considerados de risco para o desenvolvimento do Parkinson.

 

Veja:

 

Idade: jovens adultos raramente apresentam a doença de Parkinson, pois ela é mais comum em pessoas na terceira idade. O risco do Parkinson aumenta com a idade. As pessoas costumam desenvolver a doença em torno de 60 anos de idade ou mais

 

Hereditariedade: Ter um parente próximo com a doença de Parkinson aumenta as chances de uma pessoa desenvolver a doença. No entanto, os riscos ainda são pequenos, a menos que a pessoa tenha muitos parentes que apresentem a doença

Gênero: homens são mais propensos a desenvolver a doença de Parkinson do que mulheres

 

Exposição a toxinas: exposição contínua a herbicidas e pesticidas pode colocar uma pessoa em um risco ligeiramente aumentado de doença de Parkinson.

 

Sintomas de Parkinson

 

O Parkinson pode afetar apenas um ou ambos os lados do corpo, e o grau de perda de funções causada pela doença pode variar dependendo do caso.

 

Os sintomas costumam ser suaves no início, mas como o Parkinson é uma doença progressiva, os sintomas tendem a se agravar com o tempo e a levar a complicações mais sérias. Confira os principais sinais e sintomas da doença:

 

Diminuição ou desaparecimento de movimentos automáticos (como piscar)

 

Constipação

 

Dificuldade de engolir

 

Babar

 

Equilíbrio e caminhar comprometidos

 

Falta de expressão no rosto (aparência de máscara)

 

Dores musculares (mialgia)

 

Dificuldade para começar ou continuar o movimento, como começar a caminhar ou se levantar de uma cadeira

 

Perda da motricidade fina (a letra pode ficar pequena e difícil de ler, e comer pode se tornar mais difícil)

 

Movimentos diminuídos

 

Posição inclinada

 

Músculos rígidos (frequentemente começando nas pernas)

 

Tremores que acontecem nos membros em repouso ou ao erguer o braço ou a perna

 

Tremores que desaparecem durante o movimento

 

Com o tempo, o tremor pode ser visto na cabeça, nos lábios e nos pés

 

Pode piorar com o cansaço, excitação ou estresse

 

Presença de roçamento dos dedos indicador e polegar (como o movimento de contar dinheiro)

 

Voz para dentro, mais baixa e monótona

 

Ansiedade, estresse e tensão

Confusão

Demência

Depressão

Desmaios

Alucinações

Perda de memória

Buscando ajuda médica

 

Procure um médico se você apresentar qualquer um dos sintomas descritos acima e que se encaixem com os de Parkinson. Busque ajuda médica, também, se os sintomas piorarem ou caso apareçam novos sintomas.

 

O especialista que você deve consultar é um neurologista.

 

Na consulta médica

 

Leve todas as suas dúvidas sobre a doença para o consultório médico e aproveite para sanar todas elas. Pergunte tudo ao médico e responda a todas as perguntas que ele lhe fizer de forma clara e objetiva.

Ajude-o também a confirmar o diagnóstico: descreva seus sintomas com detalhes.

Veja abaixo exemplos do que o médico poderá lhe perguntar:

Quando seus sintomas começaram?

Os sintomas são frequentes ou ocasionais?

Há alguma medida que possa melhorar ou piorar seus sintomas?

Diagnóstico de Parkinson

Não existem exames disponíveis para diagnosticar Parkinson. Um neurologista irá diagnosticar a doença com base no histórico médico do paciente e na revisão de seus sinais e sintomas, além de um exame neurológico e físico.

 

O médico pode, ainda, solicitar alguns exames para descartar outras condições que possam estar causando os sintomas.

 

Além de exames, o médico pode lhe receitar carbidopa-levodopa, a medicação típica da doença de Parkinson. Melhoras significativas nos sintomas após o início de uso desta medicação, muitas vezes, pode confirmar o diagnóstico de Parkinson.

 

Às vezes é preciso tempo para diagnosticar a doença de Parkinson. Os médicos podem recomendar consultas de acompanhamento regulares com neurologistas especialistas em distúrbios do movimento para avaliar a condição do paciente e os sintomas ao longo do tempo para, só aí, poderem diagnosticar ou não a doença de Parkinson.

 

Tratamento de Parkinson

 

Não há cura conhecida para o Parkinson. O objetivo do tratamento é, prioritariamente, controlar os sintomas. Para isso, são usados basicamente medicamentos. Mas uma cirurgia pode ser necessária em alguns casos.

 

O médico também poderá recomendar mudanças no estilo de vida do paciente, especialmente a inclusão de exercício aeróbio contínuo no dia a dia da pessoa doente. Em alguns casos, a terapia física também será necessária para melhorar o senso de equilíbrio do paciente.

 

SAIBA MAIS

Hábitos que tratam os sintomas de Parkinson

Ferro pode prevenir Parkinson

Medicamentos

 

Medicamentos podem ajudem a tratar problemas com o andar, movimentos e tremor, aumentando a quantidade de dopamina no cérebro.

 

Você haver uma melhora significativa dos sintomas após o início do tratamento. Ao longo do tempo, no entanto, os benefícios dos medicamentos frequentemente diminuem ou tornam-se menos consistentes, embora os sintomas geralmente possam continuar a ser razoavelmente bem controlados.

 

O médico pode prescrever Carbidopa-levodopa, anticolinérgicos, amantadinas, entre outros.

 

Cirurgia

 

Com menor frequência, a cirurgia pode ser uma opção para pacientes com Parkinson severo que já não responda a muitos medicamentos. Essas cirurgias não curam o Parkinson, mas podem ajudar alguns pacientes:

Na estimulação cerebral profunda (DBS), o cirurgião implanta estimuladores elétricos em áreas específicas do cérebro para ajudar o movimento

Outro tipo de cirurgia destrói os tecidos cerebrais que causam os sintomas do Parkinson.

Medicamentos para Parkinson

Os medicamentos mais usados para o tratamento da doença de Parkinson são:

Carbidol

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo/ Prognóstico

Se você foi diagnóstico com o Parkinson, você vai precisar trabalhar em conjunto com o a equipe médica para encontrar um plano de tratamento que oferece o maior alívio dos sintomas e com menos efeitos colaterais possíveis. Certas mudanças de estilo de vida também podem ajudar a fazer a vida com a doença de Parkinson mais fácil, a exemplo de:

Boa nutrição e saúde geral

Exercícios, mas ajustando o nível de atividade de acordo com os níveis flutuantes de energia

 

Períodos regulares de descanso e evitar o estresse

 

Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional

 

Corrimãos colocados em áreas comumente usadas na casa

Utensílios especiais para comer

Os assistentes sociais ou outros serviços de aconselhamento podem ajudar você a lidar com a doença e obter assistência (como onde encontrar serviços de comida em domicílio).

 

Complicações possíveis

A doença de Parkinson é muitas vezes acompanhada por alguns problemas adicionais, que podem ser tratáveis:

Dificuldade de memória, surgimento de problemas cognitivos, demências e dificuldades de raciocínio

Depressão e alterações emocionais

Você também pode experimentar outras alterações emocionais, como omedo, a ansiedade ou a perda de motivação. O médico pode dar-lhe medicamentos para tratar esses sintomas

Dificuldades com a deglutição

Problemas e distúrbios do sono

Problemas de bexiga

Prisão de ventre

Alterações da pressão arterial

Problemas de olfato

Fadiga excessiva e prostração

Dor. Muitas pessoas com doença de Parkinson experiência de dor, seja em áreas específicas de seus corpos ou em todo o corpo

Disfunção sexual

Expectativas

 

Se não for tratada, a doença piora até a pessoa se tornar completamente inválida. O Parkinson pode levar à deterioração de todas as funções cerebrais e à morte prematura.

 

A maioria das pessoas responde bem aos medicamentos. A eficácia dos medicamentos em aliviar os sintomas e a duração desse efeito pode ser diferente em cada pessoa. Os efeitos colaterais dos medicamentos podem ser graves.

 

 fontes e referências

Sociedade Brasileira de Neurologia