CE.N.E.A

                 CENTRO NACIONAL DE ESTUDOS DO AUTOCONHECIMENTO

Registro Municipal: 137. 899 / 001 - 26

 

Translate this Page

Rating: 2.7/5 (702 votos)




ONLINE
1










 

 São as intenções que elaboram e constroem os atos, que por sua vez, iniciam, desenvolvem e concluem as obras.

 

Portanto, o Ser Humano não deve ser criticado, julgado, condenado e/ou castigado em seus sentimentos, pensamentos e atos, mas sim em suas obras, ou melhor, em suas intenções. Sr. Jair Tércio.

 

Eis que, meus amados , o Ser Humano inicia-se na senda do bem viver com o conhecimento; Eleva-se em tal senda com o autoconhecimento; e exalta-se na mesma com a auto-realização. Sr. Jair Tércio.

 

Eis que um pai, quando verdadeiro, aspira e, ao mesmo tempo, conspira para ter os seus filhos por perto, estejam eles crescidos ou não.

No entanto, Deus , a vida do absoluto, Pai nosso que é e está em toda parte, não houve pedidos finitos.

Portanto, o Ser Humano necessita aprender a saber pensar até não mais poder, ou seja, até o desmedido, para saber pedir desmedidamente, imutavelmente. Sr. Jair Tércio.

 

Segundo o Plano Divino

 

A necessidade oportuniza a vontade;

A vontade oportuniza a imaginação;

A imaginação oportuniza a inteligência;

A inteligência oportuniza a verdade;

A verdade oportuniza a consciência;

A consciência oportuniza a ciência.

Assim, o Ser Humano deve se apressar na busca da verdade, enquanto não perde a coragem. Sr. Jair Tércio.

 

 

 

 

 


Câncer - Estudos

 CÂNCER DE PULMÃO

 

O que é?

O câncer é o aparecimento de um conglomerado de células malignas que, com o passar do tempo, resultam no aparecimento e desenvolvimento de um tumor. Quando o processo é iniciado no pulmão, estamos diante de um câncer primário deste órgão. Em alguns casos, o pulmão pode ser também acometido por tumores que se originaram em outros órgãos, caracterizando metástases pulmonares e não tumores primários do pulmão. O câncer de pulmão ( ou tumor primário do pulmão ) é um dos tipos de câncer mais frequentes em homens e mulheres e com os maiores índices de mortalidade e letalidade, acarretando grande impacto na população. A grosso modo podemos dividir os tumores malignos primários do pulmão em carcinoma de pequenas células ('oat-cell' ) ou não-pequenas células. Estes últimos podem ainda ser adenocarcinoma, carcinoma de células escamosas, carcinoma de grandes células, entre outros.

 

 

Sinais e sintomas

Os sintomas mais comuns do câncer de pulmão são: tosse presistente e progressiva, mudança no padrão de tosse de um paciente, escarro com sangue, falta de ar, cansaço, dor no tórax, emagrecimento, nódulos palpáveis em região supraclavicular, rouquidão. Outros sintomas de doença avançada podem estar presentes, por exemplo alterações neurológicas. É bom lembrar que em fases iniciais pode não haver sinais ou sintomas específicos.

 

 

Causas (fatores predisponentes)

O fator de risco mais importante para ocorrência do câncer de pulmão é o tabagismo. Os fumantes têm o risco 20 a 30 vezes maior de desenvolver a doença do que não fumantes. Este risco depende da quantidade de cigarros consumida, duração do hábito e idade em que se iniciou o tabagismo.

Outros fatores de risco tradicionalmente aceitos são: exposição ocupacional (asbestos, gás radônio, urânio, cromo, agentes alquilantes, entre outros), tabagismo passivo, história familiar de câncer de pulmão e neoplasia pulmonar prévia.

 

 

Prevenção

A interrupção do hábito de fumar, em qualquer momento, implica na queda do risco de desenvolvimento do câncer de pulmão. Esta redução de risco ocorre de maneira gradual e progressiva ao longo de 15 anos. Após esse período, o risco se estabiliza, permanecendo 2 vezes maior para um fumante em comparação a um não fumante.

 

Apesar dos avanços no tratamento do câncer de pulmão nas últimas décadas o prognóstico da doença , quando diagnosticado em fase avançada, permanence desfavorável. Neste sentido, a detecção da doença na fase inicial seria interessante no sentido de proporcionar maior chance de tratamento e cura. Com este racional, vários estudos têm sido realizados com o intuito de encontrar um método ou exame efetivo para o rastreamento da doença. O maior estudo realizado até o momento foi publicado recentemente: o "National Lung Screening Trial (NLST)" incluiu mais de 50000 pacientes considerados de alto risco para o desenvolvimento deste tipo de câncer. Os pacientes foram divididos em 2 grupos para realização de Tomografia de tórax (com baixa dosagem de radiação) ou Radiografia do tórax anualmente por um período de 3 anos. Após um período de seguimento de aproximadamente 6,5 anos, observou-se uma redução do número de mortes por câncer de pulmão em torno de 20% com a realização da Tomografia de tórax. Este foi o primeiro estudo a demonstrar a vantagem de realizar um exame de rastreamento para o diagnóstico precoce do câncer de pulmão. No entanto, o estudo apresenta criticas metodológicas e não sabemos ainda se essa estratégia é aplicável em nosso meio. A Tomografia também é um exame não insento de riscos. Muitas dúvidas ainda existem com relação ao real benefício do rastreamento em câncer de pulmão.

 

Outros estudos de custo efetividade mostram que as campanhas que estimulam o abandono do tabagismo são de menor custo e a longo prazo podem promover uma redução importante do número de casos da doença.

 

Com as evidências científicas disponíveis até o momento, a maneira mais segura para prevenir a morte e as complicações pelo câncer de pulmão é a interrupção do tabagismo.

 

 

Diagnóstico

O diagnóstico do câncer de pulmão envolve profissionais de diferentes especialidades (por exemplo o clínico geral, oncologista clínico, pneumologista, radiologista, cirurgião torácico etc.). Os exames de imagem são importantes nesse processo, sendo o RX de tórax muitas vezes o primeiro a ser realizado. A tomografia de tórax pode mostrar estruturas torácicas com mais detalhes e ser útil para a próxima etapa diagnóstica. Diante da suspeita clínica e do aparecimento de nódulo ou massa em exame de imagem (RX de tórax e/ou tomografia de tórax por exemplo), o paciente é encaminhado para a realização de procedimento que obtenha material para diagnóstico histopatológico (biópsia). Esse processo pode ser realizado através de broncoscopia com biópsia transbrônquica, punção-biópsia guiada por tomografia, pleuroscopia, mediastinoscopia, ou ainda cirurgia aberta. Em algumas situações o diagnóstico histológico é realizado com biópsia de um sítio de metástase da doença ( por exemplo biópsia de nódulo no fígado ou de um gânglio supraclavicular).

 

 

Tratamento

Antes de qualquer tratamento, o paciente será submetido à uma série de exames chamados de exames de estadiamento, onde será avaliada a extensão da doença. Esta avaliação é fundamental para uma melhor análise das condições de saúde e da melhor abordagem terapêutica para o paciente em questão. Dentre os exames de estadiamento em câncer de pulmão podemos citar: tomografia do tórax e abdômen, cintilografia óssea, exame de imagem do cérebro (por exemplo ressonância nuclear magnética) e a tomografia por emissão de pósitrons ( PET-scan ). A realização dos exames quando indicados deve partir do especialista.

 

O tratamento da doença também é multidiscliplinar e depende muito do subtipo de câncer e da fase em que a doença se encontra. No que se refere ao câncer não pequenas células de pulmão, o tratamento cirúrgico é indicado em fases iniciais, podendo ser complementado ou não com quimioterapia, a depender do caso. Em fases um pouco mais avançadas, onde há comprometimento de linfonodos (gânglios) mediastinais, pode ser necessária a estratégia de quimioterapia associada à radioterapia, seguida ou não de cirurgia em casos selecionados. Na doença metastática ou avançada o tratamento sistêmico é armamentário importante (quimioterapia antiblástica ou com agentes "alvo" ). A radioterapia na doença avançada também pode ser necessária ( por exemplo para paliação de sintomas de dor ou para tratamento de metástases cerebrais). Nos tumores de pequenas células a doença é classificada em extensa ou localizada, sendo a quimioterapia o pilar do tratamento da primeira e a quimiorradioterapia o pilar do tratamento da última. Vale ressaltar que o tratamento do câncer de pulmão, seja ele de qualquer tipo, é complexo e aqui colocamos somente uma idéia geral das estratégias terapêuticas. É muito importante que cada caso específico seja individualizado.

 

Redação: Alexandre Fonseca